Maio Bordô

Botox e Enxaqueca Crônica: Uma Perspectiva Terapêutica

Você já ouviu falar em Botox para além de seu uso estético? Sim, a toxina botulínica, amplamente conhecida por sua aplicação em procedimentos estéticos, tem também um papel relevante no tratamento da enxaqueca crônica. Vamos explorar como essa substância tem sido utilizada nesse contexto.

A toxina botulínica é uma neurotoxina produzida pela bactéria Clostridium botulinum. Aprovada pela  FDA (Food and Drug Administration) para uso terapêutico desde 1989, inicialmente para distúrbios do músculo ocular, ela se expandiu para tratar uma variedade de condições médicas, incluindo a enxaqueca crônica. A FDA, em 2010, aprovou especificamente seu uso para enxaqueca crônica, abrindo caminho para que essa opção de tratamento fosse considerada por pacientes com dores de cabeça frequentes e intensas.

O tratamento com Botox para enxaqueca crônica não visa eliminar as dores de cabeça, mas reduzir sua frequência e intensidade. O mecanismo de ação se dá pela prevenção da liberação de neurotransmissores que transmitem sinais de dor. As injeções de Botox são administradas em pontos específicos ao redor da cabeça e do pescoço, seguindo o protocolo PREEMPT . Este protocolo envolve aplicação de 5UI (unidade internacional) de Botox®️ em cada um dos 31 pontos predefinidos, incluindo a testa, região lateral e posterior da cabeça e pescoço.

É importante destacar que a administração do Botox deve seguir um protocolo rigoroso para evitar efeitos adversos como ptose palpebral e paralisia facial. A injeção deve ser realizada por profissionais treinados e habilidosos. É indicado que ao menos três tratamentos trimestrais sejam realizados antes de considerar a eficácia do Botox no tratamento da enxaqueca crônica.

Para muitos pacientes, a possibilidade de redução na frequência e na intensidade das dores de cabeça representa um significativo avanço no manejo de sua condição. No entanto, é crucial que a administração e o acompanhamento sejam feitos por profissionais de saúde especializados, para assegurar a adequação do tratamento a cada caso.

 Para pacientes e familiares, é essencial estar informado sobre as possibilidades terapêuticas e discuti-las com profissionais de saúde. A decisão pelo uso do Botox no tratamento da enxaqueca crônica deve ser tomada com base em uma avaliação criteriosa dos benefícios e riscos potenciais.

Você ou alguém próximo já considerou ou utilizou o Botox no tratamento da enxaqueca crônica? Como foi a experiência? Compartilhe  conosco

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *